Número total de visualizações de página

terça-feira, janeiro 11, 2011

MENSAGEM DE BOM ANO NOVO DA RAIA DIPLOMÁTICA



O pretérito ano foi muito difícil para a maioria dos cidadãos e das organizações. A Raia Diplomática não fugiu à regra.

Lançada no final de 2009 como suplemento do Diário de Notícias despertou muita atenção, e inclusive ficou tecnicamente esgotada na Grande Lisboa.

Efectivamente o ano transacto a RD teve que atravessar uma longa travessia no deserto, e este ano que também não será nada fácil aos poucos irá reaparecer, mantendo a sua energia e criatividade de sempre.

Mas qual é a importância da Raia Diplomática?

Para além de colmatar uma lacuna no mercado editorial no que concerne às publicações de política e actualidade internacional generalista, e de origem portuguesa, tem um projecto próprio no que diz respeito às temáticas abordadas, estando a criar bases para a sua internacionalização. Da mesma forma quer evidenciar que o empreendorismo e a coragem portuguesa ainda não morreram, e quer elevar o ânimo dos homens e das mulheres deste cantinho da Europa, que foram os primeiros criadores da globalização, mas que agora estão cada vez mais a perder as oportunidades que esta proporciona.

Previsivelmente, a página electrónica da “primeira revista portuguesa de actualidade internacional” será lançada até ao primeiro trimestre do presente ano, e também estão projectadas outras novidades.

Vamos continuar a dar uma volta ao mundo das notícias e das reportagens que marcam o nosso quotidiano sem entrar na estandardização mediática.

Além da sua função informativa e reflexiva, algo que está ausente na maior parte dos órgãos de comunicação social generalista nacional, vai também abarcar três grandes causas em 2011.

A primeira é sensibilizar para o autismo. O Estado social não pode sacudir as suas responsabilidades para com as suas principais tarefas como seja a saúde e a educação.

A segunda grande causa é ajudar a preservar e enaltecer a herança portuguesa no Oriente que tem sido alvo de constante abandono por parte do Estado português durante séculos, apesar da vontade férrea de algumas comunidades de luso-descendentes do Oriente em continuarem a ter uma ligação à pátria portuguesa.

Por fim, e actualmente a mais mediática que vai ser a nossa Guerra argumentativa e de acção contra o acordo ortográfico imposto pelo governo brasileiro aos outros Estados de língua oficial portuguesa, nomeadamente a Portugal, e este aos seus cidadãos, onde há uma clara rejeição da população portuguesa a este acordo/imposição por razões culturais e até roçando a violação de princípios constitucionais, pois aqui não há nenhum acordo, mas sim uma clamorosa imposição política de adopção da ortografia brasileira aos outros Estados da CPLP, muito ao jeito estalinista.

É evidente que o governo brasileiro pode ter a pretensão de liderar os países de língua portuguesa devido ao seu poderio económico, mas não à custa de uma vil imposição ortográfica e política, que é no fundo um mero capricho de dominação, mas também é certo que as pessoas como os Estados não se “medem aos palmos”.

A falta de respeito da Assembleia da República perante as várias iniciativas legislativa de cidadãos contra esta situação, algo raro na democracia participativa portuguesa, em que simplesmente confirmou a decisão anterior aprovada desde da extrema-esquerda à extrema-direita parlamentar demonstra bem o divórcio entre representantes e representados da nação, e o descontentamento generalizado na população perante este aberrante acordo ortográfico.

Assim, a Raia Diplomática vai continuar a impulsionar este debate, e promover a abertura do processo de referendo, pois não há maior legitimidade que a democracia directa sobre todas as outras formas de representação democrática de modo a reparar este brutal ataque da classe política à vontade quase generalizada dos seus cidadãos.

Claramente 2011 não será um ano nada fácil, só resta-nos desejar um bom ano, e que seja superada as expectativas de todos na concretização dos nossos sonhos e ambições.

2 comentários:

Anónimo disse...

Bom Ano também para a "Raia Diplomática" e força para alcançar os objectivos... bem precisa é para alertar as consciências no difícil tempo em que nos encontramos. "Remar contra a maré" é preciso...
Madalena

Anónimo disse...

Deixo aqui também o meu apoio à RD para que todos os objectivos sejam alcançados muito em breve. No que respeita ao acordo ortográfico, apelo igualmente a um referendo, esperando que nele, as pessoas votem em consciência por um Portugal melhor, pela nossa tão bonita língua!
Força...
Elizabete Ferreira