Número total de visualizações de página

quarta-feira, outubro 27, 2010

ŠKODA: MADE IN REPÚBLICA CHECA


A Škoda Auto Group é uma empresa do sector automóvel que nasceu há cerca de um século com a fusão das checas Laurin & Klement e da Škoda Pilsen, estando presente, nos dias de hoje, em mais de 100 países.

Sedeado na República Checa, o Škoda Auto Group fez parte do sistema económico alemão desde a invasão do território pelos nazis em 1939, até ao fim da II Guerra Mundial. Em 1945, com a constituição do bloco de leste, o sector automóvel soviético sofreu uma reviravolta dando à companhia checa o monopólio sobre o mercado interno. Apesar da falta de contacto com o ocidente, a empresa conseguiu evoluir, sustentar-se num nicho de mercado e criar um dos seus modelos de maior sucesso, o Škoda Octavia, ao longo das décadas de 1950 a 1980. Contudo a impossibilidade de fazer uso do crescente desenvolvimento tecnológico ocidental levou a que companhia não fosse capaz de crescer além do mercado interno. Quando a queda do muro de Berlim se dá é tomada a decisão estratégica de se incorporar no grupo Volkswagen.

A possibilidade do Skoda Group fazer parte de um dos maiores grupos económicos do sector automóvel de todo o mundo permitiu que alargasse as suas perspectivas de mercado, estando direccionado não só para os automóveis familiares, mas também de competição, nomeadamente com a presença do Škoda Fabia S2000 em inúmeros rallys internacionais.

O potencial de crescimento da empresa assume, no entanto, um período de estagnação e decréscimo que ficam patentes nos resultados dos primeiros nove meses de 2009, cerca de 162 milhões de euros, contra os 455 milhões de euros registados no mesmo período de 2008.

De um pequeno negócio de família de bicicletas e monociclos - Laurin & Klement – a uma das maiores fatias do mercado automóvel: “Škoda, simplesmente inteligente”.







terça-feira, outubro 26, 2010

THE MAOIST PROBLEM


India has been facing tough challenges from the left extremist Communist Party of India (Maoist); the battle with the Maoist has raged since 1967 when the first Maoist rebellion erupted. It intensified heavily over the last five years following the formation of the CPI (Maoist), in 2004, through the merger of two prominent naxalite groups, the People’s War Group and the Maoist Communist Centre (MCC). The rising Maoist influence is palpable across country that according to the Home Ministry’s own figures, overall Maoist influence has spread from 56 districts in 2001 to 223 in 2009 of the 626 districts in India.

In the State of Jharkhand, the Maoists dominate life – they even influence vital administrative and police functions in as many as 20 of the 24 districts. They have significant presence in other States of India such as Andhra Pradesh, Madhya Pradesh, Maharashtra, Chhattisgarh, Bihar, Maharashtra, West Bengal, and Orissa.

Maoists have unleashed a wave of attacks in their strongholds to delegitimize the government. According to informal estimates, there are 20,000 armed cadre Maoists, apart from lakhs of supporters. They are so strong and well trained that they carry out from jailbreak to hijacking of trains and from killing of police to disrupting normal life and developmental works.

Why are they perpetrating these crimes?
 
Maoists Cadres
 
There are various causes depending on characteristics of an area; social, economic and cultural background; depth of historical lack of working out solutions to lingering structural problem; and ineffective application of ameliorative steps undertaken since Independence.

Land related Factors

THE origin of the popular slogan “land to the tiller” is in absentee landlordism, where the landlord would take the lion’s share of the produce without contributing anything to the production of the crop. It was in this context that the freedom fighters demanded that the one who tills the land must own it, and the post-independence Government was committed to it. Absentee landlords do exist even today, but today’s land relations are much more complex. So though the aspiration of “land to the tiller” continues to be given, the focus of the Maoist movement is on trying to provide land, whether the land of landlords or government land, to the landless. For this, they have targeted landholders whose holding is sizeable as they see it, or who are otherwise oppressive or cruel in their conduct, or hostile towards the Maoist movement, even if they are not big landlords. Such landholders have in many cases been driven away from the villages and their land sought to be put in the possession of the landless poor. On some occasions, led by armed Maoist cadre, the poor have sought to march on to the land and plant red flags in it, in symbolic occupation of the land. However, in many cases, the police have intervened, filed criminal cases against such landless poor. Where the landholder feels too threatened to come back and take possession of the land, the land remains fallow. This is the situation in parts of Andhra Pradesh and more or less same in all other States of India where Maoists have made strong presence. There is no estimate of the total extent of such land lying fallow in the country, but there is little doubt that it runs into tens of thousands of acres. If the Government can get over these unnecessary qualms, it should be possible to devise legal means appropriate to each instance to ensure that the landless get the land. Some of the land can probably be taken over under land reform laws and distributed to the poor. Some may have to be purchased or acquired from the landholder. But where the landholder has been targeted by the Maoist for political reasons and not because he has unconscionable extent of land, it may be the right thing to hand back the land to the landholder. Equity and law require that all lands of the owners having less than ceiling should be handed back to the owners subject to prevailing laws. Excesses of the Maoist in this regard are not only unjustified but deserve utmost censure.
 
Displacement and Forced Evictions

INTERNAL displacement caused by irrigation/mining/industrial projects, resulting in landlessness and hunger, is a major cause of distress among the poor, especially the adivasis (Schedule Tribes). It is well known that 40 per cent of all the people displaced by dams in the last sixty years are forest-dwelling adivasis. Other forms of distress have added to this unconscionable figure. The law and administration provides no succour to displaced people, and in fact often treats them with hostility since such internally displaced forest-dwellers tend to settle down again in some forest region, which is prohibited by the law. The Maoist movement has come to the aid of such victims of enforced migration in the teeth of the law.
 
Moreover, through this process of forced migration, many tribals have left their villages and even State and migrated into neighbouring States. This involuntary displacement and migration has caused further distress among the tribals and created administrative problem for the host State. In the State of Bihar, through social oppression, many Dalits had to move from their traditional habitat and moved elsewhere. New habitats of such migrant Dalits have become a source of further social tension. It is, therefore, time to think about a comprehensive policy- frame in which such internal displacement of different groups of population, whether tribal or Dalit, does not take place and in case it happens there should be a government policy to take care of such a situation. Through this process of forced migration large mineral areas got vacated where the mining corporate lessees are starting operation. Often the displaced persons look on hopelessly and sometimes they seek support of the Maoist groups. Such situations create space for maoist interventions.
 
Considering the widespread phenomenon of internal displacement in the country, it is time the Government devised a policy to provide minimal security to such displaced populations. Their immediate problem are shelter and livelihood. In the absence of any policy in this regard, they are prey to all manner of exploitation.

Livelihood

THE Minimum Wages Act remains an Act on paper in much of rural India. Agricultural labour is governed by the Act but the minimum wage rates under the Act are not implemented, except where the prosperity of the farmers and the demand for labour makes it unavoidable. In the areas of their activity, it is reported that Maoist have ensured payment of decent wage rates, though they have not usually gone by the statutory minimum wage rates. The rates they have ensured are sometimes higher and sometimes lower than the statutory rate. Their orientation to right is in general not governed by statutory entitlement but what they regard as just and fair, taking all factors that they believe to be relevant into consideration.

There are also large areas of labour not governed by the Minimum Wages Act. This includes categories where there is no discernible employer, which is for this reason included in the category of self-employment. Since the Maoist are in any case not bothered whether or not there is a law governing the right they are espousing, they have intervened and determined fair wage rates in their perception in all labour processes in their areas of influences. This includes wages for washing clothes, making pots, tending cattle, repairing implements, etc. Maoist have secured increases in the rate of payment for the picking of tendu leaf which is used for rolling beedies, in the forest areas of Andhra Pradesh, Chhattisgarh, Orissa, Maharashtra, and Jharkhand. This was a very major source of exploitation of adivasi labour, and while the Government knowingly ignored it, the Maoist put an effective end to it. The exploitation was so severe that the rates have over the years increased up to fifty times what the tendu patta (tobacco leaf) contractors used to pay before the Maoist stepped in. It is ,therefore, necessary for the State to provide for Minimum Support Price (MSP) for all types of minor minerals and forest produce and institutionally efficient procurement systems.

Enjoyment of common property resources as a traditional right by cattle-herds, fishing communities, toddy toppers, stone workers has become vulnerable due to the appropriation of these resources by the dominant sections of society or by the others with their support. The Maoist have tried to ensure the protection of this right wherever they are active. This is an area where there is in general no legislative protection at all of traditional rights, though some States have some policies which tend in that direction. Legislative protection of an umbrella nature should be considered by the

Issues arising out of Non- or Mal-governance

DISSATISFACTION with improper and often mal-governance created anger among the suffering population. The Maoist exploit the situation for their own political gain by giving the affected persons some semblance of relief or response. Thereby they tend to legitimise in the eyes of the masses their own legal or even illegal activities.

In the initial stages, the Maoist movement took advantage of the presence of Forest Department personnel in the adivasi areas, and gave some relief to the adivasis. The uncertain existence of adivasis in the forests has resulted in tremendous power of harassment in the hands of Forest Department personnel. It is permissible to pick edible forest produce but not to undertake cultivation of the same produce in the forests. It is permissible to gather dry twigs and logs of uprooted trees but not to cut standing timber. It is permissible to graze cattle in the forests, but it should be ensured that the cattle do not nibble at the nurseries of the Forest Department. In some States timber can be gathered for house construction but not for any other purpose. Quite apart from the injustice of the restrictions, the dividing line between what can be done and what cannot is often so slight that there is considerable ground for arbitrary action by the enforcer of the restrictions. Wherever there is a basis for discretion on the part of government officials, Forest Department personnel have had to be appeared in different ways to avoid harassment. It was only after the Maoist entered the picture that the adivasis got protection from this harassment, which was well known to the administration but was normally ignored.

On some occasions the Maoists have been able to put pressure upon lower level administrators to perform their job effectively. The pressure exerted by the Maoist movement has had some effect in ensuring proper attendance of teachers, doctors etc. in Andhra Pradesh, Maharashtra and Chhattisgarh, but it is also true that such employees have made the presence of the Maoist an excuse for not attending to their duties properly in the interior areas. In the matter of physical infrastructure like roads, school buildings, etc., the Maoist movement has on certain occasions exerted pressure for its improvement, but in many places they have themselves obstructed the laying of roads for the reason that it would increase police and paramilitary raids.

In the matter of resolution of disputes among the people and finding redressal, the contribution of the Maoist movement has been significant. There is in general no administrative or judicial mechanism in our country for resolution of day-to-day conflicts and disputes. The people have been traditionally taking these disputes to local dispute-resolution mechanisms. In the best case the entire community sits and hears the dispute. This is usually the case in tribal villages. Outside the tribal areas, a dispute within a caste is usually—at any rate among tightly knit communities—decided by the caste panchayat. The caste panchayat itself may function democratically or under the dictates of a group of elders. Disputes between persons of different castes are decided by the two sides getting their respective caste elders (or persons they trust) to sit together. In some places disputes are commonly taken to the dominant person or persons in the village, whether or not justice is done. Sometimes there is a compulsion that all disputes must be brought to the village landlord, where the dispensation of justice is usually in favour of the strong. All told, the need of a quick, fair and effective dispute resolution mechanism remains.

The Maoist movement has provided a mechanism (usually described as a ‘People’s Court’) whereby these disputes are resolved in a rough and ready manner, and generally in the interests of the weaker party. It has the two elements of speed and effectiveness. Justice and fairness are, however, often disputed. In particular, use of force disproportionate to the issue involved is fairly common. Those who are not loyal to the Maoist often do not attend the People’s Court at all. It is attended only by loyalists who agree with the conclusion indicated and the resolution proposed by the Maoist. Many times the consultation with the people is a mere formality. It is the Maoist armed squad that decides the matter. While some sort of justice is attempted to be done in disputes arisng from economic inequalities/exploitation, decisions in other matters, particularly the matrimonial disputes for instance, have quite often been characterised by a certain degree of crudeness, highhandedness and even cruelty.

Nevertheless these People’s Courts, however imperfectly adverse illegally, met some unmet demands of the community. Society must evolve a tradition of resolution of disputes by the local community in the fullness of its knowledge of all the tangible and intangible, the express and the implicit aspects of the problem, and in a manner that inspires faith in its impartiality. Elected Nyaya Panchayats may be an alternative which should be explored with diligence and sincerity.
 
Policing

EFFICIENT and impartial policing is an important requirement of good administration. But the fact is that the weaker sections of the people do not have much trust in the police. They have no trust that justice will be done to them against the powerful. Nor do they trust that the police will take interest in doing their duty where the poor alone are involved, because the poor do not have the wherewithal to make it worthwhile. Often it is as frustrating an experience to go to the police station as a complainant as it is fraught with danger to go as a suspect. Women who go to a police station to complain of sexual abuse or domestic harassment are made painfully aware of this fact. Here lies one of the attractions of the Maoist movement. The movement does provide protection to the weak against the powerful, and takes the security of, and justice for, the weak and the socially marginal seriously. Even-handedness may still be a problem since instances where one party to an offence has influenced the Maoist cadre are not unknown, but at least they have the satisfaction of being taken seriously. The other problem when the Maoist interfere in providing security for one against another in society is that the level of violence they use tends to be on the high side. They tend to resort to severe corporal punishment, including capital punishment.

However, the Maoist movement itself brings further police repression on the poor as a matter of State policy. Any agitation, supported or encouraged by the Maoist, is brutally suppressed without regard to the justice of its demands. In such matters, it becomes more vital in the eyes of the administration to prevent the strengthening or growth of Maoist influence than to answer the just aspiration. Often any individual who speaks out against the powerful is dubbed a Maoist and jailed or otherwise silenced. The search for Maoist cadre leads to severe harassment and torture of its supporters and sympathizers, and the kith and kin of the cadre. What is to be pointed out here is that the method chosen by the Government to deal with the Maoist phenomenon has increased the people’s distrust of the police and consequent unrest. Protest against police harassment is itself a major instance of unrest, frequently leading to further violence by the police, in the areas under Maoist influence. The response of the Maoist, at least the problem, has been to target the police and subject them to violence, which in effect triggers the second round of the spiral.

The rights and entitlements of the people underlying these find expression in the Constitution, the laws enacted by the various Governments and the policy declarations. The administration should not have waited for the Maoist movement to remind it of its obligations towards the people in these matters. But at least now that the reminder has been given, it should begin rectifying its own deficiencies. It should be recognized that such a responsibility would lie upon the Indian State even if the Maoist were not there, and even in regions where the Maoist movement does not exist.
 
Combating Maoists
 
In order to sort out this menace, the government has pressed many battalions of security forces into anti-Maoist operations and there have also been discussions about involving the Army and even the Indian Air Force in the operations.

However, it is to be realized that meaningful dialogue between the Maoists and the Government will be the answer of this long running problem.

Suresh Kum is correspondent in India
 

segunda-feira, outubro 25, 2010

TRANSFORMAR GRÃOS DE CAFÉ NUM POTE DE OURO



Juntar cerca de 1300 atletas e oficiais oriundos de quatro continentes em Portugal para nove dias de competição desportiva com apenas um orçamento de três milhões de euros não é um processo fácil, antes um passo de ginástica. Ainda para mais quando esse valor corresponde ao que Macau gastou só em serviço de catering, durante a primeira edição dos Jogos da Lusofonia (JL) em 2006. É certo que o cenário económico mundial é outro, é certo que a Ásia é diferente da Europa e é certo que somos mestres em transformar grãos de café num pote de ouro. E quando o dinheiro disponível para o marketing é reduzido em 90 por cento, corta-se logo na promoção. Primeiro é preciso assegurar o alojamento, as refeições, as medalhas, o espectáculo. Mesmo que ninguém saiba o que os Jogos são, nem para o que servem. Ainda menos fora da capital (excepto quanto o assunto envolve uma pandemia chamada gripe A).

O mote é nobre. Mas poucos o percebem. Celebrar a língua portuguesa chega a ser evasivo. Poucos sabem o que é ser lusófono e quem são os lusófonos. E isso nota-se mesmo entre os atletas participantes: os macaenses falam chinês, os indianos versam em inglês, os guine-equatorienses conversam em francês. Podiam ser poliglotas, mas a realidade é que já restam ínfimos atletas participantes falantes da língua de Camões, excepto os evidentes brasileiros ou angolanos. Portugal deixou rasto no mundo durante os Descobrimentos, mas já lá vão mais de cinco séculos. E não há quem sobreviva a tanto tempo, nem mesmo a língua.

Os dialectos ficam para o público. Bancadas vazias decoraram alguns dos encontros disputados, com algumas pontas de euforia quando Cabo Verde se juntou a Moçambique no Estádio do Jamor, para o primeiro arrecadar a medalha de ouro, em futebol. O campeão olímpico Nelson Évora transportou a tocha e foi feliz. Saltou duas vezes, fez saltos nulos, correu de ténis e, mesmo assim, subiu ao pódio no primeiro lugar. Mas dizer que as diferenças físicas entre os concorrentes são abissais e inultrapassáveis pode parecer ofensivo. Enquanto os JL não forem tidos como uma prova de alta competição, as bancadas vão continuar vazias. É que o público está pouco interessado em ver corridas de demonstração ou lutas de judo ou taekwondo entre dois atletas com triunfos garantidos, até antes de pisar o colchão. Vender bilhetes a preços simbólicos até prestigia a prova, mas desvaloriza a carteira do português. Em época de férias, sabe melhor estender-se num areal ou gastar o subsídio em festivais de verão, com protagonistas a sério.

E o medalheiro mostra bem o desequilibro. Deixou o Brasil e Portugal em estado de graça, porque foram, de facto, os mais fortes. Seguiram-se os países mais ricos com Macau e Índia a lucrarem, ainda que só com uma conquista de ouro cada um. No resto da tabela figuraram os mais pobres e mais fracos – Guiné-Bissau, Guiné-Equatorial e Timor-Leste regressaram a casa sem nunca terem ouvido o hino. Impossível é acabar com este fenómeno de que dinheiro traz vitórias.

E a Índia sabe isso de cor. Preparada para organizar a edição de 2013 em Goa apresentou a candidatura como se de um acto presidencial se tratasse. E talvez tenha feito bem. Trouxe para Lisboa fatos fabricados especialmente para o evento, pretos com inscrições a dourado, vestidos com uma elegância de quem veio para conquistar os próximos anos em termos desportivos. Foi um golpe de génio – aproveitar uma prova de competição para apetrechar o país de infra-estruturas. Pena que aqui não tenha acontecido o mesmo. Os Jogos Olímpicos permanecem muito longe do horizonte e Portugal continua modesto, mas grande.

Joana Tavares
(Este artigo foi escrito a quando da realização dos jogos da Lusofonia)

quinta-feira, outubro 21, 2010

A ENTREVISTA DE JOSÉ DE SALES MARQUES

José de Sales Marques foi o ultimo Presidente do Leal Senado de Macau, actual Presidente do Conselho de Directores do Instituto de Estudos Europeus de Macau e membro do Conselho Editorial da revista Raia Diplomática.
Esta entrevista foi realizada no mês de Junho do ano passado, e serviu de base para a Grande Reportagem da edição impressa da revista Raia Diplomática sobre os 10 anos da transferência da administração de Macau para a China.

Como é que têm evoluído as relações Luso-Chinesas desde a transferência da administração de Macau para a China?
As relações Luso - Chinesas têm evoluído de uma forma que eu diria exemplar a nível de relações institucionais. Desde que Macau voltou a estar plenamente integrado na China, tivemos um conjunto de aspectos positivos e de evoluções incluindo parcerias estratégicas sobretudo entre a China e Portugal. A RAEM tem tido um papel fundamental para que nessas relações. Todavia, do ponto de vista económico, parece-me que actualmente no sentido Portugal - China não têm existido desenvolvimentos que acompanhem o elevado nível de diálogo do ponto de vista político.

Referiu a importância da RAEM nas relações Luso – Chinesas. Numa altura em que o primeiro presidente da RAEM, Edmund Ho, cessa funções, o que é se espera deste novo governo?
A situação dentro da RAEM não deverá ser muito diferente porque tudo aponta para que haja uma grande continuidade nas políticas. No que diz respeito às relações entre Portugal, China e Macau essas relações vão continuar no mesmo rumo na medida em que essas relações são relações de Estado para Estado e, portanto, Macau enquadra-se dentro desse Estado. Neste sentido, depois das diversas declarações que têm sido feitas, nomeadamente pela ocasião do 20º aniversário das relações diplomáticas entre China e Portugal, tudo aponta para que o caminho seja um caminho positivo e um caminho de intensificação destas relações.

Nesse sentido, este novo governo irá ser uma continuidade da actual governação?
Sim, no entanto, provavelmente, haverá sempre algumas mudanças na medida em que a RAEM vai celebrar 10 anos de existência e há sempre momentos de balanço, há sempre algumas alterações políticas que, provavelmente, terão que ser feitas mas que não terão nenhuma influência, nenhum efeito no relacionamento entre Portugal e a China porque serão, fundamentalmente, alterações de políticas a nível interno.

Existe algum descontentamento por parte dos portugueses que trabalham para a função pública da RAEM?
Não, pelo contrário. Eu diria que, se estes 10 anos serviram para alguma coisa foi, de certeza, para que os portugueses se sintam hoje mais confiantes enquanto parte da região de Macau. O que nós podemos ver pelas manifestações de apego e de entrega que os portugueses que vivem em Macau tem actualmente será uma aproximação da própria RAEM e isto reflecte quer na vida cívica, quer na vida associativa, um contributo para que a sociedade civil possa perceber que existe uma atitude que eu diria mais positiva e mais num sentido de pertença. Mais hoje do que no passado. Se calhar no passado porque no passado muitas vezes os técnicos portugueses iam para Macau para trabalhar durante um determinado período, sempre com a ideia do regresso a Portugal. Isso não acontece tanto hoje. O que nós vemos é que existem famílias, e sobretudo jovens, que se deslocam para Macau à procura de uma vida profissional e que desde o princípio têm uma atitude e uma aposta na fixação em Macau e não, digamos, tomar Macau apenas como um ponto de passagem.

Acha que existe um desinteresse do Estado Português sobre Macau?
Bom, eu não diria que seja um desinteresse mas é muito provável, é possível, olhando para os factos, que o Estado português não tenha, enfim, tido muito tempo para se dedicar às questões de Macau. Talvez não seja só um problema de Macau. Até que ponto o Estado Português se dedica às relações com a China e com a Ásia em geral? Será que há alguma política clara sobre o relacionamento com a Ásia não falando especificamente da China? Tudo isso me parece que está ainda por definir. Não tenho visto uma linha muito clara nas relações externas de Portugal com a Ásia e, especificamente, com a China.

E o retomar da rota Lisboa - Macau? Poderia ser um sucesso dada a posição estratégica do Aeroporto de Lisboa?
Isto foi sempre um sonho das pessoas de Macau que são portuguesas como eu. Sempre sonhei que a TAP manteria uma ligação a Macau mas infelizmente isso não aconteceu e, infelizmente, o que eu vejo, agora nos jornais, nem se trata de uma tentativa para que isso aconteça. Independentemente das razões de ordem financeira e económica que possam ser argumentadas a favor desta posição, lamento imenso que, do ponto de vista estratégico, isso venha a acontecer. Acho estranha esta posição dado que a TAP, no passado, falou deste interesse em desenvolver laços com a Ásia, laços comerciais tendo em conta que a Ásia poderia ser um mercado de futuro. É estranho que hoje tenha uma posição exactamente de abandono e de voltar as costas para essa possibilidade. Não me parece, sendo um português que vive na Ásia, que seja uma boa política. Mas, obviamente, que outros argumentos poderão existir.

Acha que não será só uma politica económica?
Penso que ninguém pode virar as costas à Ásia. Se alguém me disser que uma empresa que quer ser internacional vira as costas à Ásia eu diria que, provavelmente, não estão a olhar bem para o mundo. Por isso, acho que é um ponto de vista estratégico de uma miopia completa, isto independentemente das questões económicas e financeiras que possam ser argumentadas a favor dessa solução. Do ponto de vista estratégico olhando para o mundo como ele será nos próximos 30/50 anos não faz sentido este virar de costas dadas as oportunidades do Continente Asiático.

Tais como?
Oportunidades de investimento, oportunidades de negócio e de relacionamento aos mais diversos níveis. A nível tecnológico, a nível do ensino, a nível cultural, etc. A presença, hoje em dia, de Portugal do ponto de vista cultural em Macau é quase nula. Não existem iniciativas de relevo que levem a cultura portuguesa para Macau, pelo menos a uma escala que seja significativa. No entanto, existem várias iniciativas em Macau, inclusive de associações locais, que por vezes apoiadas pelo próprio governo da RAEM, têm como objectivo levarem a cultura portuguesa a Macau. No entanto, não há um esforço orientado que envolva as autoridades portuguesas no sentido de dar e de mostrar a Macau o que é feito em termos culturais em Portugal e aquilo que de melhor existe na cultura portuguesa. Essa visibilidade não é vista.

Como analisa o trabalho do Instituto Camões na promoção da cultura e da língua portuguesa em Macau?
O Instituto Camões tem tido algum papel na promoção da cultura e da língua portuguesa em Macau, sobretudo através, embora não directamente, do Instituo Português do Oriente no sentido de divulgar a língua portuguesa para estrangeiros, ou seja, para aqueles que não são falantes ou que não tem o português enquanto língua materna. Mas o seu papel tem estado limitado a isso. Para além desse papel, que tem sido prejudicado, por vezes, por alguma instabilidade a nível da instituição, esperamos agora com as últimas alterações que essa instabilidade desapareça. Mas não deixa de ser verdade que o seu papel tem sido limitado à divulgação da língua. Volto a referir que, não há nenhuma divulgação da cultura portuguesa, não há nenhum esforço no sentido de ir mais além e de divulgar a pintura, as artes, o saber, etc. Por exemplo, não há nenhuma divulgação da língua portuguesa não há nenhum esforço digno de registo com vista a ir mais além e com vista à divulgação da pintura, das artes, do saber, etc... Não existe essa divulgação de Portugal em Macau ou na China porque, provavelmente esse tipo de realizações são dispendiosas. Não há uma política clara de aposta na China e em certa medida na Ásia em geral. Quando é feita a programação, coloca-se, tanto Macau como a China e como a Ásia em posições secundárias.

Que impacto poderia ter essa divulgação, quer para Portugal quer para Macau?
O que as pessoas de Macau conhecem de Portugal é, ainda, muito pouco. Conhecem algumas coisas. Conhecem o Fado, o Cristiano Ronaldo. Na realidade para além daqueles que são os ícones portugueses e que brilham no estrangeiro não conhecem quase nada. Não conhecem o que se faz de melhor a nível de conhecimento em Portugal. O que se faz de melhor a nível de música, o que se faz melhor a nível das artes, o que se faz melhor a nível daquilo a que podemos chamar em termos de marcados gerais e também não conhecem outras coisas como por exemplo a nível da política. O que é que Portugal pode trazer no relacionamento entre a UE, a China e a Ásia? Alguém sabe disso? Quais são os benefícios, quais são as vantagens. Todavia, Portugal tem ajudado e tem sido um bom amigo da China na UE mas se calhar pouca gente sabe disso.

Em que medida?
Tem sido um bom amigo no sentido que Portugal tem apoiado a China nas grandes questões que estão em aberto entre a China e a UE,  Portugal tem procurado introduzir um diálogo estratégico entre a China e a UE no conhecimento do desenvolvimento sustentável e tem procurado desenvolver, através do diálogo que tem tido com entidades, a chamada vertente externa. Tem procurado, fundamentalmente, criar laços de sustentabilidade neste relacionamento. Portanto, nessa perspectiva, Portugal tem apresentado, dentro daquilo que se insere na sua capacidade, no sentido em que não é um país grande, uma posição muito positiva no diálogo entre a China e Europa.

Se há essa posição e se há esse trabalho diplomático de Portugal numa aproximação entre a UE e a China, porque é que não há esse aproveitamento no campo prático através de uma estratégia?
Eu penso que há níveis muito diferentes no que respeita à abordagem e à compreensão desta questão. Uma coisa é o Governo Português, a nível de relacionamento externo, e da própria diplomacia, compreender o quão importante é esse sentido ou essa aproximação à China e à Ásia. Outra coisa são os empresários portugueses perceberem isso. Mas mais do perceberem isso é fazerem disso uma estratégia que às vezes não é fácil. Por vezes, em Portugal, as pessoas olham para a China de uma forma um pouco idónea, no sentido, fundamentalmente, dos interesses económicos empresariais e olham para a China colocando o seu interesse e procurando entrar naqueles mercados que estão mais desenvolvidos, como as grandes cidades e as grandes metrópoles. Se calhar, no âmbito da tecnologia em Portugal, seria mais útil para a China e para os empresários portugueses uma aproximação com aquelas regiões da China que não estão tão abertas a todo o tipo de competição e concorrência das grandes empresas que estão colocadas a operar na China. Estas regiões têm grandes necessidades de desenvolvimento e, provavelmente, por causa disso, apresentariam melhores oportunidades para as empresas portuguesas que, todos sabemos, apresentam limites a nível de dimensão e que podem não ter dimensão suficiente para competirem com aquelas grandes multinacionais. Com esta aposta teriam mais capacidades para operar, para competir e para concorrer, digamos, a um nível de desenvolvimento que é aquele que as regiões do Leste da China precisam assim como as regiões que estão no Sudoeste.

Ainda no âmbito da divulgação da cultura portuguesa, enquanto representante do Ministério da Educação Luso na Escola Portuguesa, em Macau, referiu, num debate organizado pelo “Hoje Macau”, em Março, que a Fundação Oriente não estava cumprir com as verbas necessárias. Esta situação permanece?
A situação referente à Fundação Oriente é muito complexa. Aquilo que eu disse tem que ser entendido num contexto mais vasto porque, efectivamente, existem alguns elementos que apontam neste sentido e que foram até divulgados na imprensa em Portugal. Todavia, a questão da Fundação do Oriente tem que ser avaliada sobre outros prismas, nomeadamente se é do interesse da Fundação e da própria Escola Portuguesa a sua continuidade neste projecto. Parece-me que sim. Apesar de tudo e de todas as dificuldades e apesar de todos os problemas e de todas as controvérsias que possam ter levantado, todavia, interessa um parceiro adequado para esse projecto. O que é preciso é que, eventualmente, a sua situação dentro desta parceria seja bem afinada, nomeadamente, no que respeita ao Ministério da Educação em Portugal.

O Instituto de Estudos Europeus de Macau, do qual o Dr. Sales Marques é presidente, tem como principal objectivo dinamizar a comunicação e as relações entre Macau e a Europa?
Sim, o principal objectivo é de fazer a divulgação da Europa em Macau e de Macau na Europa. Mas, em particular, desenvolver os laços académicos. Quando o Instituto foi criado as relações entre a Europa e a China ainda estavam numa fase pouco desenvolvidas mas desde então muita coisa aconteceu e hoje em dia há uma intensidade enorme nas relações entre a China e a Europa. Nós não estamos a ensinar nem línguas europeias nem culturas europeias, nós ensinamos a integração de quem faça esse mestrado dando um conhecimento bastante vasto do que é a integração europeia. O estudo dessas implicações e dessas componentes, por um lado, e, por outro lado, o nosso papel é também o de divulgar o estilo de vida da Europa e os valores da Europa. Aquilo que nós fazemos não se cinge às questões que estão ligadas ao ensino e ao estudo da investigação e da integração da EU. Passa, também, por questões culturais e por questões que estão relacionadas, nomeadamente, a questão da propriedade intelectual.

Depois da última Presidência Portuguesa na UE, em 2007, considerada como um sucesso tendo em conta a aprovação do Tratado de Lisboa e tendo em conta as diversas cimeiras que decorreram durante esta presidência, não podendo esquecer a Cimeira China-UE, em Pequim, na sua opinião qual foi o resultado prático desta presidência?
Eu penso que a presidência portuguesa teve um trabalho muito importante no sentido de concretizar diversas acções que estavam pensadas mas não concretizadas. Actuou de uma forma nobre e teve um esforço que esperamos ver redobrado durante a próxima presidência.

Passados quase 10 anos do fim da administração portuguesa em Macau, existe algum risco da herança portuguesa desaparecer naquele território?
Haverá sempre um risco. A herança portuguesa, fundamentalmente das pessoas em Macau pode correr riscos de desaparecer. É claro que as pedras da calçada irão ficar eternamente mas não e essa herança que nós queremos. Queremos muito mais. Queremos, fundamentalmente preservar a herança portuguesa relacionada com a cultura e com a língua portuguesa. Queremos que a língua portuguesa seja aprendida e ensinada por muitos e sobretudo para aqueles com menos recursos económicos em Macau. É preciso haver um grande esforço e fazer com que as pessoas percebam que vale a pena estudar o português como língua internacional.

AMANHÃ LEIA A ENTREVISTA DE JOSÉ DE SALES MARQUES, O ULTIMO PRESIDENTE DO LEAL SENADO DE MACAU

Leia amanhã a entrevista com José de Sales Marques, o ultimo Presidente do Leal Senado de Macau, actual Presidente do Conselho de Directores do Instituto de Estudos Europeus de Macau e membro do Conselho Editorial da revista Raia Diplomática.

segunda-feira, outubro 18, 2010

NRP SAGRES CHEGA DIA 24 DE OUTUBRO A MALACA


O NRP Sagres chega no próximo dia 24 de Outubro pelas 9 horas a Malaca. Na sua terceira viagem de circum-navegação que se iniciou a 19 de Janeiro em Lisboa, e já passou pelo Brasil, Uruguai, Chile, Perú, México, Estados Unidos, Japão, China, Indonésia, Singapura, Tailândia, e que agora vai chegar a Malaca, curiosamente no ano em que se celebra os 500 anos da chegada dos primeiros portugueses à então denominada "Veneza do Oriente".

A coordenação da visita do maior embaixador itinerante português  está a cargo da Associação Cultural Coração em Malaca (ACCM), através de Cátia Candeias, coordenadora do projecto "Povos Cruzados" .

A partida para Kuala Lumpur está prevista acontecer no dia 29.

Para mais informações visite o blogue do projecto "Povos Cruzados" em http://www.povos-cruzados.blogspot.com/ .

domingo, outubro 17, 2010

A INTRODUÇÃO DE PORTAGENS NO NORTE DE PORTUGAL – A REVOLTA GALEGA


Com a decisão do governo socialista em aumentar a carga fiscal e as receitas do Estado, a circulação rodoviária entre Portugal e Galiza sofreu logo um acentuado decréscimo.
 
Iniciado o processo nos começos do ano, cuja a intenção seria apenas para as SCUT´s do Grande Porto com o argumento que essa região já tinha alcançado a média do PIB nacional.
 
Perante este propósito que ontem foi consumado, o maior partido da oposição obrigou então o governo a estender a sua resolução também para as regiões economicamente mais deprimidas. Nada escapa!!!
 
Ontem, a TV Galicia (TVG) para assinalar o facto fez uma reportagem em directo desde Vila Nova da Cerveira a dar conta da redução de tráfego e a prognosticar as consequências para a economia galega.
 
Hoje, dia 16 de Outubro, o maior jornal da Galiza, “La Voz de Galicia”, que curiosamente é escrito em castelhano faz um grande destaque de primeira página a esta notícia, com os depoimentos dos condutores galegos que se queixam da operacionalidade do sistema de cobranças para estrangeiros que obriga estes a comprar o sistema electrónico com um carregamento mínimo.
 
Depois de ser criada a maior região territorial europeia que englobará o Norte de Portugal, a Galiza e Castilla y Leon com uma população de cerca de 10 milhões de pessoas, a implementação desta medida por Lisboa é vista com estupefacção pelos meios políticos, económicos e sobretudo turísticos, pois este ano celebra-se o ano santo do Xacobeo que tem tido a presença considerável de milhares de visitantes portugueses, que aliás segundo as estatísticas é o maior parceiro comercial da região autonómica.
 
Agora para o trajecto entre Viana do Castelo e o Porto que distam apenas 76 quilómetros, o utente tem que desembolsar exorbitância de 77 euros, o que é um sério entrave ao desenvolvimento comercial entre as duas regiões ibéricas.
 
Muito difundida as críticas pelos meios de comunicação social e políticos, onde se inclui o antigo Presidente da Xunta da Galiza, Emílio Touriño que também desaprovava a decisão portuguesa de suspender a ligação Porto-Vigo por comboio de alta velocidade está a criar um grande mal-estar por aquelas hostes.
 
De facto é verdade, e acima de tudo trata-se de uma falta de senso e uma grande camada de hipocrisia, pois como se pode fomentar a exportação e a cooperação transfronteiriça com estas barreiras artificiais.
 
A ânsia de captação de receitas para um Estado despesista que agora inclui uma taxa de IVA de 23% digna de um país nórdico, sinónimo de organização e que fomenta o bem-estar social é no mínimo sórdida.
 
Para além do aumento da carga fiscal, os cidadãos e os trabalhadores dessas regiões, e das outras localidades que virão ter portagens, e sem recurso digno a alternativas para aqueles que apenas querem trabalhar e ajudar o país a desenvolver têm como castigo pagar mais imposto.
 
Com a arrecadação de tantas receitas pela via directa e indirecta, mas com uma distribuição deveras injusta, os sucessivos governos que apesar da sua alternância têm a mesmíssima politica que é dirigir muito mal a nação, ao sabor das suas conveniências, e sem o mínimo rigor económico e de Estado.

quarta-feira, outubro 13, 2010

A FIGURA DO IRÃO



As alterações ocorridas desde 2001 trazidas pelos movimentos de asilo na Europa Ocidental têm tido repercussões por toda a Europa, especialmente no Reino Unido.

Muitos dos iranianos que vivem em Londres reconhecem a importância da cidade enquanto refúgio para todos aqueles que fugiram quer do antigo Xá e sua overthrower, quer do Ayotollah Khomenei.

É em Londres, que muitos iranianos apelaram ao mundo para a crise declarada no Irão. O Irão, que domina as notícias internacionais e nacionais, muitas vezes por razões controversas, divide um país de grande influência não só no mundo islâmico como também num mundo ocidental. A reeleição do presidente Mahmoud Ahmadinejad, eleito pela primeira vez em 2005, tem levantado polémicas e reacções por parte de vários países.

Foi há porta da BBC de Manchester, que um grupo de iranianos inquietos, procuraram ser ouvidos utilizando como meio de vinculação das mensagens um importante órgão de comunicação como é a BBC, com vista à divulgação, por todo o mundo, da sua posição sobre a situação no Irão e sobre o seu descontentamento e luta.

O partido da oposição liderado por Mussavi, que outrora presidiu o país, apoiado pelos seus partidários, o Reformista Iraniano que acusa Ahmadinejad de fraude eleitoral dizendo mesmo que ele e todo o mundo “continuaram a observar atentamente a situação no local”.

A Organização Não Governamental (ONG) Human Right watch, relatou que no ano anterior, um membro do próprio Parlamento Iraniano, Hossein Ali Shahryari, confirmou que 700 pessoas estavam ainda a aguardar execução nas províncias de Sistan e Baluquistão, a segunda maior província do país com cerca de 2,1 milhões de habitantes, maioritariamente balúchi.

Estes muçulmanos sunitas desta província, são considerados uma ameaça política e também religiosa para o estado, apresentando-se como uma minoria perseguida étnica e religiosamente.

Este aumento do número de condenações à morte, denota a prova de violência, e opressão que o país tem vivido.

Mas terá o povo do Irão motivos para recear o homem que é visto pelo mundo ocidental, como uma ameaça constante, por possuir armamento nuclear?

A internet tem-se revelado como o melhor aliado dos iranianos na divulgação da informação e da liberdade de expressão tanto desejada, nomeadamente após os turbulentos acontecimentos no país.

 No entanto, as autoridades iranianas estão agora a lutar contra as leis cibernautas. O governo pretende assim oferecer aos usuários um denominada “ segurança” na informação apresentada na internet, mas os activistas estão preocupados com as implicações do estado de vigilância sobre a liberdade de expressão, adiantou a cadeia Al Jazeera. A mesma fonte revela que o ex-presidente Iraniano Akbar Hashemi Rafsanjani, afirmou que o seu país esta em “crise”, conhecido como um critico às políticas de Mahmoud Ahmadinejad o actual presidente, não prevê tempos fáceis para o seu país e o seu povo.

O sistema de educação no país deteriora-se cada vez mais com os acontecimentos que tem posto o país nas “capas”do mundo e os estudantes do ensino superior fazem das universidades os seus campos de luta.

A Universidade de Teerão, atacada por diversas vezes por polícias e apoiantes ao regime de Ahmadinejad, deu lugar as balas substituindo os habituais livros.

Cláudia Borges

(Este artigo foi escrito em Setembro de 2009)

quinta-feira, outubro 07, 2010

ANNA ABREU - A ENTREVISTA

Anna Abreu é considerada por muitos como o “pequeno fenómeno” da música finlandesa, e uma das personalidades mais acarinhadas pelos adolescentes. Entrou para a história discográfica do país da Kalevala logo no seu álbum de estreia “Anna Abreu”, sendo um dos mais vendidos de sempre.
Nesta entrevista realizada no passado mês de Março via correio electrónico, a luso-descendente vai contar a sua experiência no programa “Idols” da Finlândia de 2007 e da sua relação com Portugal.

Anna Eira Margarida Mourão de Mello e Abreu não é um nome muito finlandês?
Sim é verdade, é um nome muito mais português do que finlandês do qual me orgulho muito. Vem da parte do meu pai que é de nacionalidade Portuguesa.

Quais são as maiores recordações que tens dos “Idols” da Finlândia de 2007?
Houve sem dúvida muitos momentos marcantes, as melhores recordações são talvez quando passei o primeiro casting, as pessoas que tive oportunidade de conhecer, todas as coisas que aprendi e que me fascinaram, a felicidade de ver o meu sonho tornar-se realidade a cada etapa passada, a última gala e a última canção...foram muitas emoções.

Não foi um grande risco teres cantado em português, no caso, a canção “Solta-se o beijo”, da Ala dos Namorados, na grande final, e quiçá isso impediu-te de ganhar a competição?
É sempre um risco fazer algo diferente, mas achei importante ser versátil e ao mesmo tempo dar a conhecer as minhas raízes portuguesas que também são uma grande parte de mim. Foi um acto de ousadia que na minha opinião resultou somente em meu favor. Não ganhei porque tinha um bom competidor, não por ter cantado a música errada (risos).

Ou será que a Finlândia é mesmo a terra do Heavy Metal já que o vencedor, Ari Koivunen só cantou nesse estilo musical?
Os finlandeses são conhecidos por serem reservados sérios e honestos, talvez daí o Heavy Metal se encaixar no seu carácter. Para além da sua voz, o Ari possui uma personalidade muito finlandesa, por isso é possível que o público se tenha identificado mais com ele. Mas fiquei muito feliz com o segundo lugar, até porque já em edições anteriores do “Finnish Idols”, que os segundos lugares têm alcançado tanto ou mais sucesso que os primeiros.

O teu álbum de estreia “Anna Abreu” foi um dos mais vendidos da história da música da Finlândia, cerca de 86 000 cópias. Significa isto que o programa dos Ídolos pode ser uma verdadeira ajuda para o sucesso para quem começa a dar os primeiros passos?
É obviamente uma grande ajuda. Na Finlândia este programa tem grandes audiências, o mesmo acontece nos outros países, é um grande fenómeno que chega a uma grande variedade de públicos. Este tipo de visibilidade é muito importante no inicio duma carreira, mas no fim acho que tudo se resume a nós, ao nosso talento e a muito esforço para fazer sempre mais e melhor.

É importante para ti cantares em várias línguas como seja o finlandês, inglês, espanhol e em português?
Para mim não é importante. Não tenho como objectivo cantar em muitas línguas diferentes, fi-lo no programa porque optei por cantar temas que pessoalmente gostava na altura . A nível do meu trabalho canto apenas em Inglês e português.

Costumas ouvir música portuguesa?
Costumo. Não digo que oiço todos os dias, mas gosto bastante de alguns artistas e bandas portuguesas, tanto actuais como os clássicos Xutos e Pontapés, Rui Veloso etc..

O certo é que já entraste para a história da música finlandesa, que com apenas 20 anos já vendeste quase 200 000 discos. Muitos consideram-te como um “pequeno fenómeno” e uma das figuras públicas mais conhecida no país dos “mil dos lagos”. Aproveitando esse facto, e sendo luso-descendente, tem a Embaixada portuguesa colaborado contigo na promoção de Portugal?
Infelizmente não surgiu ainda nenhum projecto em conjunto, embora se houver a oportunidade terei o maior prazer em colaborar com a embaixada portuguesa.

Conhecedora de ambas realidades, quais são as principais diferenças culturais entre a Finlândia e Portugal?
As duas culturas são muito diferentes. Acho as pessoas finlandesas são modestas, correctas, respeitam muito a natureza e têm uma mente muito aberta, por outro lado as pessoas portuguesas penso que são muito dadas, alegres e boas anfitriãs. Portugal tem muita tradição e também é mais conservador.

O teu ultimo álbum “Just a Pretty Face?”, lançado no ano passado, que vendeu mais de 30 000 cópias e chegou a nº2 do Top da Finlândia, já tem sucessor?
Começo a trabalhar no próximo álbum este Outono e será lançado, se tudo correr bem no inicio de 2011.

Para quando podemos ter a Anna Abreu em Portugal para um concerto, e quando estarão disponíveis os teus discos em terras lusas?
Não depende de mim, infelizmente, mas já houve algum interesse por parte de Portugal e nunca se sabe...talvez um dia. Eu adorava dar um concerto em Portugal por ser um país pelo qual tenho um carinho tão especial.

Agradecemos à Sony Music Finland pela gentileza do envio das fotos

quarta-feira, outubro 06, 2010

ANNA ABREU EM ENTREVISTA EXCLUSIVA

Anna Abreu considerada por muitos como o "pequeno fenómeno" da música finlandesa deu uma entrevista exclusiva à Raia Diplomática, que será publicada na próxima sexta-feira.
A luso-descendente vai contar a sua experiência no programa "Ídolos" da Finlândia e a sua ligação a Portugal.

O SÉCULO DA REPÚBLICA E OS 867 ANOS DA NACIONALIDADE


Confesso que a proliferação de bandeiras “azuis e brancas” nos perfis dos utilizadores e a criação de diversos grupos de apoio à causa monárquica nas redes sociais foram o incentivo para que eu começasse a escrever uma pequena reflexão sobre o presente, e talvez sobre o futuro de Portugal, pois a vivência do nosso quotidiano não interessa a (quase) ninguém.


Neste dia de chuva intensa aqui na Galiza, local mais ou menos escolhido para o meu “exílio voluntário”, e não muito distante da nossa cidade-berço, parece que um grupo de monárquicos convocados pela Causa Real está assinalar mais um aniversário da assinatura do Tratado Zamora, e consequentemente a independência de Portugal, embora essa data não seja consensual entre os historiadores. Pois, festejar o centenário da República é que era uma grande chatice, e pelo menos estão a fazer alguma coisa de jeito.

De facto a República da Constituição de 1976 não está a tratar bem o marco histórico do 5 de Outubro de 1143, pois afinal é o inicio da nossa nacionalidade que foi muito dura de obter pelos nossos antepassados, e que agora nem tem direito a uma festa nacional. Como republicano lamento profundamente este esquecimento atroz do Estado, independentemente do regime político em vigência.

E ainda bem que um projecto-lei de duas deputadas católicas socialistas, melhor dizendo, duas das muitas aves raras que se passeiam pelos corredores de São Bento para alterar datas de celebração dos feriados nacionais por uma lógica meramente economicista foi chumbada. Seria um escândalo se tal acontecesse.

Aliás, esta é a melhor altura para a monarquia conquistar adeptos, em plena crise económica e de valores nacionais, onde no espectro político nacional só se assiste à incompetência e à inércia governamental, e de toda a oposição, da esquerda à direita, passando pelos seus extremos, e não esquecendo o principal responsável por este estado permanente de angústia e de descrença que é o povo português.

Parece-me claro que a esmagadora maioria das tendências monárquicas prestam vassalagem ao herdeiro da Casa de Bragança para que um dia, que eu espero que nunca venha acontecer seja proclamado Rei, e que o regime mais apropriado segundo eles apregoam seria a Monarquia Constitucional. Tal situação não acrescentaria nenhum atributo de valor ao Estado, a não ser a sustentar uma corte com o dinheiro dos contribuintes.

Confesso se eu vivesse na Idade Média ou até na Idade Moderna seria monárquico, pois a educação e a preparação para governar a nação estaria melhor entregue à nobreza, mas hoje, e até no século passado em que a educação e a cultura chegou à maior parte do povo e não apenas para uma elite.

E foi graças à República que o analfabetismo começou a desaparecer, as mulheres obtiveram o direito de voto e os trabalhadores adquiriram finalmente mais direitos laborais e de protecção social, o que era até aí negado por uma realeza obsoleta.

Todavia, a decadência da ética republicana levada a cabo pelos dirigentes políticos, a nível nacional, regional e local que não exercem a sua função para o bem-estar generalizado da população, mas sim para interesses pessoais e corporativos está denegrir os valores que o regime trouxe em 1910, apesar do excesso jacobino e da falta de governabilidade que caracterizou a I República.

Hoje é preciso reinventar a República, pois a monarquia é coisa do passado.


Possivelmente é tempo para pensar seriamente na constituição da IV República de modo que possamos requalificar a estrutura do Estado. Não estou a referir ao funcionamento dos órgãos de soberania, cuja a vigente constituição tem mecanismos de solucionar as crises políticas.


Refiro-me sobretudo ao peso da máquina do Estado que está emperrada pelos interesses partidários que criam um número exorbitante de direcções-gerais, institutos públicos e outras entidades somente para satisfazer as clientela partidárias.

Urge portanto fazer uma grande revolução na organização do Estado. Precisamos de saber o que é estritamente necessário para o poder central, regional e local possa funcionar com eficiência, de modo a facultar ao povo aquilo que é realmente importante para garantir o seu bem-estar.

Só com um Estado bem organizado, que saiba tratar bem o seu território e valorizar de forma justa a mais-valia de quem quer inovar, empreender e sobretudo internacionalizar é que podemos atingir os verdadeiros fins do Estado, e por fim voltar a sentir o misticismo da nossa época áurea.

Com a dita crise económica muitos dos movimentos sociais e políticos alteraram-se, e o mais vincado regista-se na União Europeia, onde as relações entre os Estados-membros já não situam-se ao mesmo nível.

Os países mais poderosos aprenderam que não é através da força bélica, embora isso ajude, muito usada nos Séculos XIX e XX seja a forma correcta para a conquista do “inimigo”. Essa beligerância passa agora pela astúcia da tomada do poder económico.

Com o inicio da criação do governo económico europeu que é apenas o primeiro passo para a perda da soberania dos pequenos estados como é o caso de Portugal. Porque quem acreditar que a União Europeia é um espaço de igualdade e solidariedade está certamente a viver num mundo de fantasia delirante.

Neste momento a Europa tende a ser germanizada, de leste a oeste. E quando os “opinion makers” desta terra falam na necessidade de haver uma soberania partilhada entre os Estados não sabe o que está a falar em termos da defesa do interesse nacional.

Porque, ou um Estado é soberano em pleno ou é um Estado enfraquecido, e aqui entra o federalismo europeu.


Abram os olhos!!!

Estes são na minha opinião os dois grandes desafios da nação lusitana: reorganização profunda do Estado e promoção assertiva da sua internacionalização no plano político, económico, cultural e social, e por outro lado a defesa da soberania que não possível sem uma ambição internacional, pois não é aqui fechados que podemos salvaguardar aquilo que somos há 867 anos .

Por todos estes motivos e apesar de tudo, Viva à República Portuguesa!!!

domingo, outubro 03, 2010

ESTADO PATERNALISTA OU ESTADO PADRASTO


Em grande parte da Europa assiste-se ao esvaziamento do Estado providência com o corte dos benefícios sociais, e tendo em consideração ao aumento da esperança média de vida, e consequente envelhecimento da sua população, e para fazer face ao desequilíbrio orçamental, os governos têm tomado medidas para tornar o Estado menos paternalista.

No caso português, a criação do factor de sustentabilidade por parte da Segurança Social, significa que para as gerações que agora iniciam a sua vida profissional activa, quando chegarem à idade de reforma virão os seus rendimentos reduzirem-se drasticamente. Para colmatar essa perda real de rendimentos e de poder de compra, o governo incute aos seus contribuintes a subscreverem produtos de poupança.

Os recentes escândalos financeiros que aconteceram um pouco por todo mundo demonstram que os Estados não podem virar a cara ao funcionamento de instituições que têm forte impacto na sociedade, seja através da regulação, supervisão ou até mesmo pela intervenção directa nos mercados financeiros. Se tal não acontecer o Estado passa a ser um padrasto insensível aos olhos dos seus cidadãos, pois ficam desprovidos de qualquer protecção perante os devaneios morais dos gestores, onde tudo é permitido para conseguirem atingir os seus objectivos, pois a ditadura dos números imposta pelas administrações não dão margem de manobra.

Há no mercado inclusive produtos financeiros/poupança que findo o prazo, o subscritor/tomador recebe menos capital do que o total das entregas durante a vigência do contrato.

A existência deste tipo de situações, salvaguardada a livre concorrência, é inconcebível sobretudo quando é o próprio Estado incentiva os seus contribuintes a procurarem tais soluções, mas que de facto não passa de um verdadeiro embuste e com consequências sociais muito gravosas para quem procura uma protecção financeira.

sexta-feira, outubro 01, 2010

NOVIDADE NO BLOGUE DA RAIA DIPLOMÁTICA

Agora no blogue da Raia Diplomática será publicada na primeira 6ª feira de cada mês uma super entrevista.
Excepcionalmente a entrevista do mês de Outubro estará disponível no dia 8, e a primeira convidada será uma célebre luso-decendente!!!